sábado, 21 de abril de 2007

O Mercado Público

Era um homem de meia idade, todo vestido de branco, até o sapato tinha a mesma cor, chegou no box do queijo e pediu: “Um queijo de coalho sem sal, velho e curtido!”. O vendedor e imagino que dono do estabelecimento comercial, respondeu sem mais delongas: “Só tenho queijo novo!”. Mas, ficou resmungando dois ou três minutos: “Cada qual com sua mania!”. Ora, comprasse o produto ainda novo, levasse pra casa e deixasse ao sol, assim curtiria o queijo e comeria a seu gosto, complementou, na ranzinzice de seu gênio. Sucede, porém, que não fui ao mercado público para chafurdar a vida alheia, tinha ido – isso sim! – comprar a cabidela do almoço e trouxe pra casa um frango grande, pesado e com aparência de macio, que alimentou a família inteira. Pedi uma galinha caipira, da qual gosto que me enrosco, mas não tinha. Tinha uma matriz, enorme e dura. Não presta, imaginei!
Aprecio o ambiente do mercado e vez ou outra tomo por lá um café da manhã, a titulo de desjejum, no qual vem a macaxeira cozida, fumaçando ainda e a carne boi cozida. Pode-se escolher, à vontade do freguês, a charque ou a carne de sol, o cuscuz ou o cará. Sentado à mesa compreendo um pouco do tudo que se passa por ali. O papel do vagabundo que se levanta logo cedo do banco da praça, lava a boca na torneira de uso comum, toma os primeiros goles d’água e vai degustar a lapada dos começos de mais um dia, a aguardente pura, da qual tira a parte do santo, como se santo bebesse. No banco do balcão do restaurante, tosco e rude, conta o que pôde amealhar no ontem dos tempos e pede um café, também, até onde pode com as suas economias de um cotidiano ameaçado. Volta à praça e vai preencher com o nada das coisas a sua manhã e a sua tarde, pra novamente deitar-se no banco de madeira dura.
Alguns conhecidos e muitos desconhecidos fazem a feira das verduras e das frutas, o sábado tem essa cara, a da beterraba e a da cenoura, a do chuchu e a do maxixe, a do jerimum e a do quiabo. O feijão verde debulhado na hora serve de complemento à galinha, a manga adorna o prato e faz a festa, o suco e o degustar solene da polpa que mancha de amarelo a boca do penitente e deixa tingidas as mãos e as unhas. Para terminar tudo, só um doce de goiaba em barra, desses crocantes, bem açucarados; doce de goiaba em barra com farinha do pote, branquinha, branquinha. Tudo isso me agrada, porque desde cedo ia à feira de Santo Amaro das Salinas com a minha mãe, voltando com o homem do balaio, com o cognome de “Pássaro Triste”, apelido que meu pai deu pelo semblante inocente e amargo da criatura. Andava barraca por barraca vendo de um tudo e parava naquela dos carrinhos de madeira, apreciando o artesanato que tanto me encantava.
Dessa vez levo filha minha que da Espanha chegou e pra lá há de voltar, Fabiana de prenome. Estuda as marcas no corpo, de cá e de além mar, tatuagens e outros sinais perpetuados na pele. Termina um doutorado que começou aqui, pelo Recife e com a tese vai ter um título tupiniquim e outro de todas as europas. Ocupou-se em tirar fotografias dos boxes apinhados de apetrechos, os domésticos e aqueles pessoais, da individualidade da criatura ou da intimidade do ser humano. No mercado de tudo se encontra um pouco, a verdura e a fruta, a carne verde, como se dizia outrora e a carne de sol, curtida feito o queijo dos desejos daquele homem, o peixe fresco e o camarão das águas quentes do Atlântico. Melhor o miúdo, o sarapatel de encomenda ou a dobradinha exposta no balcão.
E assim, flanando, o sábado se esvai, ameaça com o domingo e a segunda-feira amanhece. O Natal chega e as elites se confraternizam, comem e bebem, dão gargalhadas enormes, enquanto os excluídos sociais choram a dor do vazio de todos os estômagos. E o Cristo, que é Deus, não nasceu numa manjedoura? Por que os pobres não participam do grande banquete da noite sagrada? Porque o homem desprezou o semelhante e dividiu em castas a sociedade! Há os incluídos, os ainda incluídos e esses, os excluídos de tudo!
Comentários também para pereira@elogica.com.br






3 comentários:

  1. Eu, ainda incluída, penso penso e não entendo que escolha burra fizemos, ficamos com os Shopping Centers e perdemos feiras, esteiras e essências... Fui a Cuba por estes dias, e tive muita, muita vergonha, deixei metade das coisas, sapato, bolsa, roupas, mas queria ter ficado lá inteira.
    Um grande beijo Geraldo.
    Raquel Gandelsman

    ResponderExcluir
  2. Raquel

    Pena não ficou por aqui o seu E-Mail, para que lhe respondesse diretamente.Também não o encontrei em meu catálogo. Muito grato pela atenção de seu comentário. Realmente, desprezamos o que é nosso - ou foi nosso - em troca de modernidades nem sempre interessantes. Por certo o capitalismo selvagem teve influência nisso. Mas, é preciso seguir resistindo. Façamos isso! Muito Obrigado!

    ResponderExcluir