sexta-feira, 1 de junho de 2007

A Casa das Caiporas

A Comadre Fulozinha é a alma de um índio que vaga pelas matas, explicou Zezinho, lá de Chã de Cruz, depois de Aldeia. Recostado numa coluna do alpendre de minha casa, o homem dissertou, longamente, sobre essa lenda das florestas. Nunca chegou a ver a figura, mas tem histórias do arco da velha pra contar, desde aquelas de seu avô, que sendo bom caçador, nunca esqueceu de agradar o fantasma com mingau misturado a fumo pisado, sem sal e sem pimenta, porque desses ingredientes não gosta e até se irrita com quem se engana e tempera o alimento. Foi o avô, ainda, quem certa vez se perdeu num bosque, passando a noite ao relento e só encontrando o caminho de volta de manhã cedo, ao despertar de um sono inquieto, sem sonhos e sem devaneios. Mas, a trilha com que se habituara estava em sua frente, escondida pela menina de face meiga.

Nunca viu, mas ouviu dezenas de vezes o seu assobio forte, como aconteceu com o seu irmão numa tarde qualquer, depois do almoço, quando já estava pitando um cigarro no terreiro. Escutou um silvo, de tal maneira próximo aos ouvidos, que perdeu a audição no momento e com medo saiu às carreiras. Pior com uma senhora a quem conhecera, de longos cabelos pretos, que se alevantou com umas tranças tão bem feitas que ninguém conseguiu desfazer e ao marido coube cortar o piloso manto com uma faca de cozinha. O Zezinho perdeu as contas da quantidade de cavalos que encontrou com a crina entrançada, que só a tesoura resolvia o emaranhado. Trabalhava numa baia e por isso tinha essa oportunidade, a de detectar manifestações da fantasmagórica figura. Vez ou outra, porém, a Comadre o chamava no terraço e ele a procurava, sem que encontrasse: “Zezinho! Zezinho!”

A menina baixinha, de cabelos chegando à cintura, protege alguns bichos dentro da mata e àqueles aos quais dedica o seu afeto o caçador não pega, por mais que queira e deseje. Pode passar dias e mais dias pastorando o animal e jeito de abater não existe, senão pra contar com a raiva da Comadre Fulozinha. Melhor conviver em paz com a lendária mocinha e não incomodá-la com matreirices humanas. Ela sabe de todos o nome, conhece os hábitos e os costumes, fazendo brincadeiras quando quer e entende. Numa ocasião, um parceiro do contador de histórias – Zezinho por apelido e Zé Pedro de nome próprio -, tomava um deforete em frente de casa, encostado num tronco de árvore e se virando não viu mais a moradia. Era evangélico e por isso não se apavorou, invocou os céus e novamente se virou, notando que na verdade estava recostado numa coluna do alpendre.

O homem acredita, piamente, na Comadre, por tudo que já testemunhou e pelas conversas que teve a propósito, com gente que foi vítima ou que assistiu a outras pessoas assim vitimadas. De mais a mais, lá por Aldeia, vez ou outra, ouve o assobio entre as árvores e não se assusta mais, tem a certeza de que pode conviver assim, respeitando a moça. Uma coisa considera como certa, a de que um silvo forte significa que Fulozinha está à distância e quanto mais baixo for, mais perto estará. Dizem que tem raiva dos cabelos compridos e das crinas bem cuidadas, daí a trança que faz, para obrigar o corte e impedir a semelhança consigo mesma. Cavalos presos em cercados fechados podem amanhecer soltos, liberados no pasto, sem que se saiba quem os libertou. É capaz de se enfurecer e dar uma surra no penitente até o desmaio e nisso não se meta um afoito qualquer.

Essas lendas do Nordeste, estudadas pelo nosso folclorista Maior – Mário Souto Maior -, são deliciosas, realmente. Disso falava, também, Ascenso Ferreira: "Ali mora o pai da mata/Ali é a casa das caiporas...." Se o Caipora conhece a Comadre ninguém sabe, ninguém viu! A verdade é que protege a flora e a fauna, é rei de todos os animais e costuma punir o lenhador que agride a natureza sem necessidade ou caçador que mata por prazer. Tem os pés virados pra trás e com isso engana a todos, deixando os rastros trocados. Assobia e fecha as florestas! Dá azar aos incautos que esquecem de lhe presentear com prendas especiais: esteiras, cobertores e redes. Quem sabe, são parceiros da mata?

E foi uma lição a mais! É vivendo e aprendendo, diz o povo na sabedoria que tem!
Comente também para:
pereira@elogica.com.br


5 comentários:

  1. Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

    ResponderExcluir
  2. Alpha Bravo Charlie na escuta!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. de tamanha curiosidade é a história da cumadre fulozinha...
    Dr. geraldo, homem sábio das coisas, relata de maneira envolvente, o mito, a lenda, o conto.
    Mesmo que seja verdadeira ou não, ninguém quer topar de frente com a cumadre fulozinha...
    cuidado onde caminha...

    ResponderExcluir