sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

O Natal dos Pássaros

Difícil buscar inspiração neste Natal, tempo de confraternização e tempo de paz: minha mãe está muito doente. Foi assim há 17 anos passados com o meu pai. Um fim de ano conturbado. Quando chegamos em casa dele, como fizemos vezes seguidas, não quis descer do quarto, não aguentaria mais a agitação daquela terminalidade, a do ano e a sua própria. Voltamos para casa e improvisamos uma festinha para as meninas, quase crianças ainda. Ouvimos o badalar das horas e brindamos ligeiramente a passagem do ano. Agora, não adianta mais insistir, não há como buscar no imaginário cenas que possam resgatar o bom das coisas ou o espírito não consegue sentir o enlevo do momento. Quem sabe possa repetir um passeio que fiz pelo rio Capibaribe e vendo o Recife à noite, reescrever a crônica de 2007. Talvez! Ou apenas olhar e ver a fotografia de meu Blog mesmo, publicada naquele ano, colhida durante um passeio de barco..
Hoje pela manhã, logo cedo, quando saia de meu exercício matinal num programa de hidroginástica que tenho como se fosse uma religião, vinha lembrando o quanto foram gostosos os meus finais de ano. Os passeios que dava pelas ruas iluminadas da cidade, levando as três filhas, cada qual que fizesse a sua observação, caracterizando a peculiaridade do instante. Fabiana, a mais velha, quando muito pequenina, ficava deslumbrada com o bueiro da fábrica da Tacaruna iluminado e dizia, em seu verbalizar iniciante: “A cacauna painho! A cacauna painho!”. Nunca esqueci isso! Agora, mãe como é, há de trazer o filho, meu neto, para ver também a terra em que nasceu e se criou. Pras bandas da Espanha, o frio está gelando os ares, por isso mesmo há um lugar certo para o Papai Noel. Por cá não, faz um calor acima dos 30º C e só cabe mesmo a tropicalidade da roupa e a afetividade do gesto.
O tempo passa, os filhos crescem e se vão, os pais envelhecem e morrem. Mas, é preciso conservar o espírito de fraternidade que preside a cena desse tempo mágico. Nota-se em todo canto, até nos elevadores, que os semblantes estão mais descontraídos, há mais facilidade na comunicação e o gesto se faz mais espontâneo também. Toda gente comunga dessa despedida do ano; cristãos e judeus, aqueles que professam a fé dos terreiros e os espíritas, cujo culto contempla as almas desgarradas da matéria e a reencarnação. Na ceia, a tradição de séculos e mais séculos é repetida, o peru ou o porco se apresenta à degustação da família. Mas, infelizmente, a minha mãe não precisa me mandar à venda da esquina, com a recomendação: “Vá comprar uma dose de aguardente! Mas, avise que é para matar o peru, se não vão pensar que seu pai bebe!”. E o meu pai, quando muito servia-se de uma sangria, maculando a pureza do bom vinho português.
Nesse tempo assim, de minhas oscilações do humor, os pássaros conseguem me alevantar a alma. Ontem, em uma de minhas caminhadas pelo Parque da Jaqueira, não resisti e sentei em banco de cimento duro e fiquei absorto, observando o saltitar de um sanhaçu num galho próximo. Que beleza! Que coisa linda, meu Deus do céu! Ao longe, um sabiá-laranja cantava os acordes de minha infância. Trinava bonito e repetia o canto, chamando, com toda certeza, a fêmea para o êxtase dos dias de agora. Se fosse em Aldeia, teria comprado um mamão passado, dizendo ao vendedor do mercado: “Amigo! Quero um mamão podre!”. E o vendedor, em sua perplexidade, nunca deixou de indagar: “Por que podre?”. Não é podre, é passado, sempre digo! Lá ainda chegam o João Moleque e a Maria Mulata. A lavadeira e a guriatã. Todos das atenções do meu ilustre amigo Roberto Harrop, mais sociólogo que antropólogo. Oh, amigo, as lavadeiras de meus anos lavavam do Cristo a roupa, por isso, a minha avó paterna não as deixava pegar.
E os canários? Aqueles de penugem amarela, tão doirada quanto a cor que reluz! Foram, também, de meus tempos de menino? Onde estão Harrop? Pousavam no terreiro de casa, a mesma casa de minha mãe no hoje dos dias, caiam, vez ou outra, no alçapão de rede e iam parar no viveiro de casa, no qual amansavam os abarrancados e mudavam as penas os jovens passarinhos. Eis o Natal dos Pássaros e o meu Natal.



(*) - Ofereço o texto a Roberto Harrop, amigo meu de Aldeia, vizinho ilustre daquelas plagas. Uma crônica quase toda sofrida, para um tempo de paz e de tranquiliade; crônica de meus humores oscilantes, às vezes animados e tantas vezes tristonhos, melancólicos. Afinal, a minha mãe não está bem Pela beleza dos pássaros, desses do Blog e daqueles dos meus caminhos em Aldeia, ofereço o texto a Roberto Harrop, na esperança de vê-lo fotografar um canário amarelo em determinada relva do bosque.

6 comentários:

  1. Um texto bonito, bem escrito e que retrata os tempos idos e as coisas gostosas de um tempo que já não volta mais, as histórias que se foram. Me sensibilizei porque também poderia escrever um bem parecido com este, lembrando com saudades dos que se foram, dos que estão aqui e distantes e dos que estão por vir e que talvez não vivam momentos tão bons assim. É como diz o Dr.Geraldo Pereira, é preciso não deixar apagar a chama da vivência em família, com os amigos e lembrar sempre das nossas raízes. É Natal e este pode mesmo ser do canarinho, todo amarelinho, que lembra a cor do Brasil e que mesmo aprisionado ( injustiças ) canta sempre lindamente.
    Um abraço Roberto e obrigada pelo envio do texto.

    ResponderExcluir
  2. Um texto que nos remete a infancia de uma geraçao que curtia os jardins e quintais, com brincadeiras, alegres e ingenuas....os nossos irmaos com o bodoque a perseguir os passarinhos e, nos as meninas, a correr e pedir, !faz isso nao! ... preferiamos brincar de cantar ou mesmo contar estorias.... tenho, tbem, uma predileçao por observar os passaros, eis que minha quertida mae, ja falecida, sempre dizia .. minha filha alguem quer te ver ....e assim levavamos aquela vidinha amena e gostosa...o nosso amigo roberto harrop, tem buscado nos recantos de aldeia, reviver aquelas epocas bvucolicas , so que agora ele nao usa o bodoque e, sim a maquina fotografica, para registar os mais belos momentos dos passaros ....um feliz natla p/vc amigo....e que no ano de 20109, possamos continuar desfrutar dessa beleza que os passaros nos traz...

    lourdinha , sociologa

    ResponderExcluir
  3. Geraldo

    Já o ví na Sobrames, meio casmurro. Gostei muito da crônica. Por coincidencia também tenho 3 filhas (uma chamada Fabianne. Me identifiquei com o Natal.
    Um abraço,
    Paulo

    ResponderExcluir
  4. Com uma copa de "vinho fino" de minha terra na mão, observo como cai mansamente a neve sobre os cristais de minha janela e como essa neve é alumiada pelos milhões de bombillas multicolores que enfeitam minha rua, aí abaixo, bem na minha frente. Os sinos de uma iglesica próxima soam chamando a missa. Se vé gente como, com cuidado de não escorregar, caminham sobre o solo coberto de alvo ao mesmo tempo em que dois meninos pequenos se soltam da mão de seus pais e vão junto a um cão que está tumbado aos pés de um músico ambulante que interpreta com seu violin "Noite de paz" e deixam umas moedas sobre uma bufanda vermelha. O músico ambulante, e o cão, gelados de frio, agradecem o gesto aos meninos devolviendoles um sorriso, enquanto a neve continua caindo sobre a cidade, cuja luz se levanta acima dos edifícios envolviendonos a todos num pequeno portal.

    A nenhum menino do mundo, em qualquer lugar que queira que esteja, deveria lhe faltar a magia da Navidad e, nestes dias, deveríamos deixar nosso hábito de adultos a um lado e nos transformar em meninos famintos de luz e de ilusão.

    Feliz Navidad Geraldo, e num grande ano 2010, um forte abraço para tí, os teus e os que vão a teu blog.

    ResponderExcluir
  5. Geraldo

    Muito boa a sua crônica escrita com o coração e a sensibilidade que o espírito Natalino inspira.
    Feliz 2010!!
    Eliana

    ResponderExcluir