sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Histórias da Vovozinha

A minha avó tinha um biótipo apropriado à prática da condição de mãe duas vezes. Era gorda – enorme de gorda –, com os cabelos grandes, mas tão grandes que exigiam duas empregadas para serem penteados e era portadora de catarata, cuja cirurgia, ao tempo, não se fazia como hoje, de forma simples e corriqueira. Mas era uma pessoa ótima, dispensando-me um tratamento especial, chamando-me, como me chamava, de Geraldinho. Veja só o leitor! Sentava horas seguidas a contar histórias; histórias que trazia de seu tempo no interior do Rio Grande do Norte, na cidade do Ceará – Mirim. Vez ou outra misturava as fábulas e as lendas com a realidade nua e crua da seca de 77. Esse foi um período de muito sofrimento no Nordeste. Era um horror ouvir essa conversa de tanto padecer, anos depois!
Tinha predileção especial pelo relato fabular de um certo drama familiar, da morte de uma mãe e o terror da madrasta que assumira essa posição parental. A filha, de tanto ser maltratada e perseguida por ela, termina enterrada no jardim, de onde canta: "Jardineiro de meu pai /Não me corte os meus cabelos,/ Minha mãe me penteou, minha madrasta me enterrou, /Pelos figos da figueira que o passarinho bicou. /Xô passarinho, xô passarinho, da figueira de meu pai.". E o jardineiro ouvindo essa toada convocou o pai da criatura e assim tiraram a moça, salvando-lhe a vida. E a madrasta ruim foi mandada embora. Encontrei a história por inteira na Internet, mostrando que a rede virtual é muito mais do que se pensa.
O quase conto de minha infância perdeu o sentido no mundo atual. A madrasta não é mais, como fora, substituta da mãe desaparecida para sempre. Agora, os casais se separam com uma frequência inusitada, razão para se ter outras formas de parcerias conjugais. A família mudou, há novas mães e novos pais, filhos e enteados. Sendo assim, por vezes a constelação parental cresce, fica enorme, com mulher e ex-mulher, marido e ex-marido, filhos de um e filhos de outro. Todos num grande convívio. Tudo isso sem falar de avós e avôs. E a figura má, odienta, da madrasta desapareceu no tempo e no espaço. Já nem acho mais graça nas cerimônias de casamento, porque penso, no mais das vezes, que de pouco serve a benção do sacerdote, os acepipes da recepção, igualmente, de nada adiantam, o destino é o mesmo: separam-se. Não há mais a família de saltimbancos de Picasso.
Uma outra história do fabulário em geral, é aquela da formiga e da cigarra. A primeira guardando o que podia para os dias de falta, para o inverno, sobretudo e a outra sem se incomodar com o porvir das coisas, cantando e se deleitando com a melodia. Até que a carência alimentar se instala e a precavida formiga tem que atender aos reclamos da desesperada cigarra. A narrativa tinha a valia de lembrar à criançada a importância da economia. Por isso recebi de minha mãe um cofre de metal polido com a inscrição: “A economia é a base da prosperidade”. Não consegui ser rico – não desejo isso -, mas tenho sido ao longo da vida contido com os meus recursos financeiros, parcos sempre. Nego-me a gastar por consumo apenas, sou daqueles que calculam o benefício de um bem.
Bom! Entrou por uma perna de pinto, saiu por uma perna de pato, senhor rei mandou dizer que contasse cinco.
(*) - Crônica de uma semana que vai findando e contabilizando atividades mil; atividades de lançamento de meu livro e atividades do centenário de meu pai. Estou, verdadeiramente, em pandarecos. Acordei antes das galinhas e antes que o galo anunciasse a finitude da madrugada ou o nascer do sol. Vou, como disse o poeta, "Danado pra Catende/Com vontade de chegar..." Isto é, para Aldeia. O texto vai oferecido a minha prima Luciana, avó e contadora de histórias infantis. Comente no espaço do Blog ou para pereira@elogica.com.br ou ainda para pereira.gj@gmail.com

9 comentários:

  1. Maravilha o seu cantinho.
    Clicando daqui, clicando dali, cheguei até você.
    Gostei do seu espaço.
    Certamente voltarei mais vezes.
    Convido a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir
  2. Acabei de assistir a sua participação na sexta cultural. Foi assim que soube de seu blog e passo a segui-lo.

    Dei boas risadas com as citações das histórias pitorescas.

    Abraços,
    Lou

    ResponderExcluir
  3. Lou
    Infelizmente não tive acesso a seu e-mail, razão para deixar de lhe responder diretamente. Gostaria de tê-lo, até com a intenção de divulgar as atualizações semanais.
    Grato pela audiência ao programa. A sexta cultural do Opinião Pernambuco é um espaço muito visto e pelo geral conta com uma interação com o telespectador muito valiosa. Trata-se, como nota, de uma produção local do melhor nível.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Geraldo:

    Fique à vontade para cadastrar o endereço: louvilela@hotmail.com. Será um prazer tomar ciência das novidades.

    Abraços,
    Lou

    ResponderExcluir
  5. Vi o programa sexta cultural, juntamente com o meu esposo, Woy, e filha,Luciana. Amamos. Muito boa a sua participação. O seu blog é sucesso, alto nível.

    ResponderExcluir
  6. Vi o programa sexta cultural, juntamente com o meu esposo, Woy, e filha,Luciana. Amamos. Muito boa a sua participação. O seu blog é sucesso, alto nível.

    ResponderExcluir
  7. Gera,voce sim, é o cara. Beijos da pessoa que junto a voce assistiu e assiste a todos os voos da nossa adorada prole.

    zaina

    ResponderExcluir
  8. Recomendo que leia em O PROFETA de Khalil
    Gibran, filosofo libanês, o poema que fala dos filhos. É lindo e interpreta o seu sentimento de ver a filha partir. Atenciosamwente, médico escritor William Moffitt Harris, da SOBRAMES(BR, CE, PE, RS - separatista e dissidente da SOBRAMES-SP)

    Mande-me seu endereço postal; quero lhe enviar uns livros

    ResponderExcluir